BOAS PRÁTICAS E ELEVADO DESEMPENHO ESCOLAR EM CONTEXTO DE VULNERABILIDADE SOCIAL COM REFERÊNCIA AOS RESULTADOS DO IDEB

Edivaldo Cesar Camarotti Martins

Resumo


Nas últimas décadas, constata-se o surgimento de estudos a respeito das chamadas boas práticas escolares, contextualizados no campo da eficácia escolar. Dentro dessa temática, os estudos das boas práticas escolares em regiões de vulnerabilidade social vêm despertando o interesse por parte de setores, ainda reduzidos, da comunidade acadêmica. O presente artigo objetiva apresentar os resultados de uma pesquisa que identificou boas práticas escolares numa escola de alta vulnerabilidade social, localizada na região metropolitana de São Paulo, Brasil, que superou todas as metas estabelecidas pelo Ministério da Educação (MEC) por meio do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, entre os anos de 2007 e 2011. Demonstrou-se que a melhoria do desempenho escolar está estreitamente vinculada à construção de uma escola voltada à aprendizagem, existindo um sério trabalho em equipe focado no âmbito pedagógico, articulando práticas e iniciativas que envolvem a família nas atividades escolares.

Palavras-chave: Boas práticas escolares. Desempenho escolar. Escola eficaz.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. T. G.; SOARES, J. F. As pesquisas sobre o efeito das escolas: contribuições metodológicas para a sociologia da educação. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 22, n. 2, p. 435-473, maio/ago. 2007.

BARBOSA, M. E. F.; FERNANDES, C. A escola brasileira faz diferença? Uma investigação dos efeitos da escola na proficiência em matemática dos alunos da 4.a série. In: FRANCO, C. (Ed.). Promoção, ciclos e avaliação educacional. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 155-172.

BRASIL. Decreto no 6.094, de 24 de abril de 2007. Plano e metas compromissos todos pela educação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 abr. 2007. Seção 1, p. 5.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Vencendo o desafio da aprendizagem nas séries iniciais: a experiência de Sobral/CE. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Banco Interamericano de Desenvolvimento. Melhores práticas em escolas de ensino médio no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2010. 34p.

CALDERÓN, A. I.; RAQUEL, B. M. G.; CABRAL, E. S. O prêmio escola nota 10: meritocracia e cooperação para a melhoria do desempenho escolar. Ensaio: aval. pol. públ. educ., Rio de Janeiro, v. 23, n. 87, p. 517-540, abr./jun. 2015.

CARDELLI, D. T.; ELLIOT, L. G. Avaliação por diferentes olhares: fatores que explicam o sucesso de escola carioca em área de risco. Ensaio: aval. pol. públ. educ., Rio de Janeiro, v. 20, n. 77, p. 769-798, out./dez. 2012.

CEARÁ. Pesquisa de boas práticas 2011: análise de fatores de alto desempenho e boas práticas em escolas da rede pública do estado do Ceará. Fortaleza: Secretaria da Educação do Estado do Ceará, 2011.

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E AÇÃO COMUNITÁRIA. Educação em territórios de alta vulnerabilidade social na metrópole. São Paulo, 2011.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes, 2006.

DELORS, J. et al. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, 2000.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao sinaes. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 15, n. 1, p. 195-224, mar. 2010.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ESCUDERO MUÑOZ, J. M. Buenas prácticas y programas extraordinarios de atención al alumnado en riesgo de exclusión educativa. Profesorado: Revista de Currículum y Formación de Profesorado, Granada, v. 13, n. 3, p. 107-141, 2009.

FARIA, E.; MADALOZZO, R. As lições das escolas brasileiras que oferecem educação de qualidade a alunos de baixo nível socioeconômico. [S. l.]: Fundação Lemann; Itaú BBA, 2013.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, 2012.

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Aprova Brasil: o direito de aprender, boas práticas em escolas públicas avaliadas pela Prova Brasil. 2. ed. Brasília, DF: Fundo das Nações Unidas para a Infância, 2007.

KATZMAN, R. Vulnerabilidad, activos y exclusion social em Argentina y Uruguay. Santiago de Chile: OITFord, 1999.

MARTINS, E. C. C.; CALDERÓN, A. I. Boas práticas escolares e avaliação em larga escala: a literatura ibero-americana em questão. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 26, n. 62, p. 264-293, maio/ago. 2015.

MARTINS, E. C. C. Construindo uma escola eficaz: boas práticas escolares e fatores de alto desempenho em escolas de alta vulnerabilidade social. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências Humanas, Sociais e Aplicadas, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2015.

MUIJS, D. La mejora y la eficacia de las escuelas en zonas desfavorecidas: resumen de resultados de investigación. REICE - Revista Electrónica Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, Madri, v. 1, n. 2. 2003.

MURILLO, F. J. Investigación iberoamericana sobre eficacia escolar. Bogotá: Convenio Andrés Bello. 2007.

MURILLO, F. J. La investigación en eficacia escolar y mejora de la escuela como motor para el incremento de la calidad educativa en Iberoamérica. REICE - Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, Madri, v. 3, n. 2. 2005.

RACZYNSKI, D. V.; MUÑOZ, G. Factores que desafían los buenos resultados educativos de escuelas en sectores de pobreza. In: CUETO, S. (Ed.). Educación y brechas de equidad en América Latina. Santiago de Chile: PREAL, 2006. p. 275-351.

RITACCO REAL, M. J.; AMORES FERNÁNDEZ, F. J. Buenas prácticas educativas ante el fracaso escolar en los programas de apoyo y refuerzo en contextos de exclusión social. Profesorado: Revista de Currículum y Formación de Profesorado, Granada, v. 15, n. 3, p. 117-137, 2011.

SANTOS, U. E. Percurso histórico do Saresp e as implicações para o trabalho pedagógico em sala de aula. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 26, n. 62, p. 354-385, maio/ago. 2015.

SÃO PAULO (Estado). Assembleia Legislativa. Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Índice paulista de vulnerabilidade social – IPVS. São Paulo: Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, 2010.

SCHNEIDER, M. P. Políticas de avaliação em larga escala e a construção de um currículo nacional para a educação básica. EccoS – Revista Científica, São Paulo, n. 30, p. 17-33, jan./abr. 2013.

SOARES, J. F.; ALVES, M. T. G. Desigualdades raciais no sistema brasileiro de educação básica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n.1, p. 147-165, jan./jun. 2003.

SOARES, J. F.; ANDRADE, R. J. Nível socioeconômico, qualidade e equidade das escolas de Belo Horizonte. Ensaio: aval. pol. públ. educ., Rio de Janeiro, v. 14, n. 50, p. 107-126, jan./mar. 2006.

SOARES, T. M. Modelo de três níveis hierárquicos para a proficiência dos alunos dos alunos de 4.a avaliados no teste de língua portuguesa do SIMAVE/PROEB-2002. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 29, p. 73-87, 2005.

WEBER, M. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Cultrix, 1970.




DOI: http://dx.doi.org/10.24882/eemd.v0i0.77

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



_________________________________________________________________________________________________________________________

Revista Educação em Debate

Universidade Federal do Ceará - UFC

Faculdade de Educação - FACED

Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira - PPGEB

ISSN(online): 2526-0847 | ISSN(Impresso): 0102-1117

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0) (https://goo.gl/kZs8rp)